Complicações da cirurgia da Tireóide – Parte 2

Complicações da cirurgia da Tireóide – Parte 1
1 de Fevereiro de 2017
O Câncer de Orofaringe e o HPV
23 de Fevereiro de 2017
Show all

Complicações da cirurgia da Tireóide – Parte 2

Complicações da cirurgia da TireóideDe uma forma geral, a cirurgia de tireóide evolui bem, com raras complicações, mas algumas complicações podem ocorrer. Lembramos que toda cirurgia envolve risco de complicações, e as principais complicações relacionadas a este procedimento são as seguintes:

  • Hipocalcemia

Junto à glândula tireóide, existem as glândulas paratireóides, que em geral são em número de 4. Elas são responsáveis pela produção de um hormônio (PTH) que regula o nível de cálcio no sangue. Após uma tireoidectomia, pode haver uma diminuição temporária ou definitiva da função destas glândulas, levando à queda dos níveis de cálcio no sangue (hipocalcemia). Felizmente, é muito raro ocorrer uma deficiência definitiva na função que é chamada de hipoparatireoidismo definitivo e quase sempre está associada com a tireoidectomia total. O paciente pode apresentar sintomas como: formigamentos nas mãos, nos pés, ao redor dos lábios e nas orelhas que podem evoluir para câimbras. O tratamento consiste em receber grandes doses de cálcio e Vitamina D. Raramente estes sintomas ocorrem em tireoidectomias parciais.

  • Cicatriz

Todo corte sobre a pele produz uma cicatriz. Contudo, dificilmente as cicatrizes de tireoidectomia produzem marcas com mau resultado estético, pelo contrário, são normalmente discretas. O tamanho da incisão cirúrgica varia de 3 a 15 cm, dependendo do tamanho da tireóide, aspectos anatômicos do paciente, tipo de cirurgia e da experiência do cirurgião em realizar incisões pequenas.

As cicatrizes hipertróficas (popularmente chamadas de quelóides) são cicatrizes mais grossas, endurecidas e avermelhadas. Fatores como predisposição racial (no caso dos japoneses, por exemplo), localização no corpo (tórax), complicações na ferida cirúrgica (infecções) e aspectos técnicos cirúrgicos estão relacionados com este tipo de complicação. A exposição solar deve ser evitada diretamente sobre a cicatriz, por um período de até 4 meses após a cirurgia. É recomendável o uso de protetores solares (Mínimo FPS 30), com o objetivo de chegar a um melhor resultado estético da cicatriz.

 

Clique aqui para conferir a primeira parte do artigo, onde citei outras duas complicações da cirurgia de tireóide.

Tem alguma dúvida ou se identificou com os sintomas? Ligue para (11) 4314-6900 durante o horário comercial e agende a sua consulta com o Dr. Rafael De Cicco. Ou se preferir, clique aqui e solicite o seu agendamento.

Rafael De Cicco
Rafael De Cicco
Médico especialista em cirurgia de cabeça e pescoço e oncologia cirúrgica. Especialista em doenças da tireóide e também em tumores de boca , garganta e laringe. Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço e Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *