Punção Aspirativa da Tireóide por Agulha Fina

Punção Aspirativa da Tireóide por Agulha Fina

A punção aspirativa da tireóide por agulha fina, também conhecida pela sigla PAAF, é o exame mais assertivo para determinar se um nódulo na glândula é benigno ou maligno. O procedimento pode ser realizado no próprio consultório, juntamente com uma ultrassonografia, que guiará o médico na hora de saber onde, exatamente, está aquela lesão. A ideia central desse tipo de punção é retirar células do nódulo ou cisto e enviar para uma análise laboratorial. A partir daí será possível indicar o melhor prognóstico para o caso de determina paciente.

Solicite o agendamento da sua consulta com o Dr. Rafael

Punção aspirativa da tireóide é dolorosa?

Muitas pessoas deixam de realizar a punção aspirativa da tireoide por medo da dor, negligenciando o próprio tratamento. O procedimento, na verdade, é realizado com uma anestesia local, então o paciente acaba sentindo pouquíssima dor, que é totalmente suportável. O exame é rápido e o curativo pequeno.

Punção da tireóide precisa de repouso?

A indicação médica é que haja repouso de um dia após a realização da punção aspirativa da tireóide. A recomendação geral é para não fazer esforço na região do pescoço. Pode-se falar normalmente. Porém, no dia do procedimento, é indicado que evite gritar. Não é preciso levar acompanhante. Caso o paciente esteja sendo medicado com algum tipo de anticoagulante, é preciso suspender o uso dos mesmos três dias antes da realização da PAAF.

Como é o resultado da punção da tireóide

Após a realização do exame, os resultados são comumente classificados por meio do Sistema Bethesda, que pode indicar seis categorias diferentes para o diagnóstico do nódulo. São elas:

  • categoria I — amostra insatisfatória, é preciso realizar uma nova punção aspirativa da tireóide;
  • categoria II — nódulo benigno, recomendação final fica à critério do médico;
  • categoria III — lesão folicular inconclusiva, porém com alta chance de ser benigno. É recomendável realizar a PAAF novamente de quatro a seis meses;
  • categoria IV — suspeita para neoplasia folicular. Deve-se considerar a tireoidectomia;
  • categoria V — suspeita de malignidade. Recomenda-se tireoidectomia;
  • categoria VI — maligno. Recomenda-se tireoidectomia.

Confira outros serviços!

Cirurgia dos tumores benignos do pescoço

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *