Notícias

24 de novembro de 2016

A Tireóide e a Gravidez

A tireoide é uma glândula muito importante também na gestação, pois está relacionada a todas as etapas desta fase da vida da mulher, desde a evolução até o nascimento. Os níveis dos hormônios da tireoide sofrem alterações fisiológicas durante a gestação. No primeiro trimestre ocorre um aumento na demanda da produção de hormônios tireoidianos. Apesar da tireóide se formar a partir da oitava semana de gestação, o feto ainda é dependente de hormônios tireoidianos maternos. Nesta etapa, ocorre o aumento da glândula em resposta ao aumento da demanda hormonal. O hipotireoidismo gestacional pode causar abortamento e trazer alterações importantes no feto, como alterações de desenvolvimento mental. A doença de Graves, que é uma afecção autoimune que causa aumento de produção de hormônios tireoidianos, é mais intensa no início da gestação e no pós-parto, sendo o tratamento medicamentoso mais recomendado, uma vez que a iodoterapia é contra-indicada durante o período gestacional. No pós-parto, a gestante tem novamente chances de desenvolver distúrbios da tireoide. Portanto, o acompanhamento antes, durante e após a gravidez é fundamental.   Clique aqui para agendar a sua consulta com o Dr. Rafael De Cicco
7 de novembro de 2016

O uso do Lugol previne Doenças Tireoidianas?

Muito se diz e propaga a respeito do uso do lugol, que é uma suplementação de iodo, para tratamento de doenças tireoidianas. Algumas pessoas alegam inclusive que o uso do lugol não é estimulado como deveria pela medicina tradicional, o que causaria maior número de doenças da tireóide. Infelizmente, na contramão da ciência, algumas pessoas estimulam o uso do iodo para prevenir doenças tireoidianas. Vamos aos fatos: O iodo é considerado um micronutriente com distribuição variável na crosta terrestre. Isto quer dizer que em algumas regiões geográficas, especialmente áreas montanhosas e regiões afastadas do litoral, podem ser carentes de iodo. Nossa tireoide usa cerca de 52 mcg (1000 mcg equivalem a 1 mg) de iodo todos os dias para fabricar o T4 (65% do peso em iodo) e o T3 (59% do peso em iodo). Para garantir o aporte correto deste nutriente, é recomendada uma ingestão diária de iodo de 150 mcg para adultos, 220 mcg para gestantes, 290 mcg para mulheres amamentando e 90-120 mcg para crianças de 1 a 13 anos de idade. Em nosso meio, a principal fonte de iodo é o sal de cozinha. No Brasil, por lei, cada quilo de sal possui de 15 a […]